O termo Cloud Computing ou Computação em Nuvem, consiste em transferir o armazenamento, processamento e trocas das informações dos hardwares locais para servidores externos acessados via internet. De maneira simplificada, se refere a ideia de utilizar em qualquer lugar, independente de plataforma, as mais variadas aplicações por meio da internet com a mesma facilidade de tê-las instaladas em nossos próprios computadores.

Para o ambiente corporativo, a computação em nuvem pode ser utilizada para reduzir a infraestrutura do TI, reduzir os custos com TCO (Total Cost of Ownership), reduzir os gastos com a energia elétrica, utilizar de maneira adequada os recursos de hardware, consolidar servidores permitindo aumentar a utilização, sem que o computador fique ocioso, reduzindo o desperdício de recursos físicos.

Não são raros os casos de empresas que muitos servidores estão ociosos à espera de trabalho enquanto outros executam aplicações antigas que são mantidas apenas por questões de conformidade ou compatibilidade.

De acordo com estudos, a utilização de máquinas físicas separadas para cada aplicação não tem um bom aproveitamento de seus recursos, pois os servidores em média usam somente de 5% a 10% de suas capacidades.

Em resumo, consolidar hardware e software na nuvem é sinônimo de economia e dentre as principais vantagens dos sistemas Cloud Computing, podem se destacar:

– O usuário final não precisa ter necessariamente o conhecimento sobre a tecnologia em uso;

– A redução do Custo Total de Propriedade TCO (Total Cost of Ownership), pois sendo um serviço online, são fornecidos acessos a aplicações utilizando o browser (navegador) da internet e o armazenamento é feito em servidores distribuídos;

– A mobilidade é maior, pois o acesso pode ser feito de qualquer local com acesso à internet;

– A flexibilidade é maior, com um ambiente livre para atualizações, instalações, e gestão de software autônoma;

– Permite o compartilhamento de dados de maneira facilitada;

– Permite a sincronização das informações entre diferentes dispositivos;

– Utilização eficiente dos recursos de hardware;

– Redução do uso de espaço físico, pois reduz a necessidade de servidores físicos e infraestrutura de telecomunicações;

– Redução do consumo de energia;

– Padronização das plataformas e rápida adoção de novas tecnologias;

– Maior capacidade de monitoramento dos ambientes;

Mas assim como existem muitas vantagens, um dos principais desafios, assim como em todas as novas tecnologias, é a capacitação profissional. Atualmente o mercado não tem profissionais suficientes para atender a demanda de Cloud Computing. O que dificulta ainda mais esse processo também é o surgimento de novas tecnologias, plataformas ou linguagens de programação, que tornam o ambiente Cloud ainda mais complexo.

Devido a amplitude do termo Cloud Computing, ela foi divida em seis tipos:

– IaaS – (Infrastructure as a Service): quando se utiliza uma porcentagem dos recursos de um servidor, normalmente utilizado por empresas de hosting.

– PaaS – (Plataform as a Service): plataforma online com um serviço instalado, tal como um banco de dados ou um web-service (p.ex.: Windows Azure).

– DaaS – (Desktop as a Service): área de trabalho como um serviço, é uma solução em nuvem na qual a infraestrutura de desktop é virtual, também conhecido como desktop virtual ou desktop hospedado.

– SaaS – (Software as a Service): o software é oferecido como um serviço, para que o utilizador não precise instalar ou comprar computadores e servidores para executá-lo. (Por exemplo: Google Docs, Microsoft Sharepoint Online).

– CaaS – (Communication as a Service): uso de uma solução de Comunicação Unificada hospedada em Data Center do provedor ou fabricante.

– EaaS – (Everything as a Service): quando se utiliza tudo, infraestrutura, plataformas, software, suporte. Tudo o que envolve T.I.C. (Tecnologia da Informação e Comunicação) como um Serviço.

Para cada tipo de cloud, existe um cliente ou usuário específico. No caso do SaaS, os serviços são direcionados para os usuários finais. No caso de PaaS ou IaaS, são destinados para desenvolvedores ou administradores de sistemas. O cloud definitivamente já faz parte do nosso cotidiano. Nossos dispositivos estão a todo tempo se comunicando com ele. No ambiente corporativo o Cloud Computing mudou a visão que temos sobre a área de TI, passando de um “centro de custo” que gera despesas para empresas, para uma posição de destaque e relevância, sendo fator decisivo e diferencial para o sucesso dos negócios.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, João P. V. de. Impacto de plataformas de virtualização no consumo energético: um estudo comparativo entre Xen e KVM. 2009.

BATTISTI, Júlio; SANTANA, Fabiano. Windows Server 2008 – Guia de estudos completo: implementação, administração e certificação. Nova Terra, Santa Cruz do Sul. 2008.

GARTNER, Predicts 2008: woldwide servers marketshare. Stamford, 2008.

HENESSY, J. L.; PATTERSON, D. A. Computer Architecture: A Quantitative Approach — 3rd edition. Morgan Kaufmann Publishers Inc., São Francisco, CA, Estados Unidos, 2003.

MODA, Cássio; CREMONIN, Fabiano Loverbeck; CREMONIN, Rodrigo Marassi. Virtualização e alta disponibilidade em ambiente corporativo. 2008.

PINHEIRO, Pedro Alexandre Fernandes. Adoção de Sistemas Cloud Computing, 2014.

POLLON, V.; Virtualização de servidores em ambientes heterogêneos e distribuídos – estudo de caso, UFRGS, RS, 2008.

VERAS, Manoel. VIRTUALIZAÇÃO: Componente Central do DATACENTER, Brasport, 2011. BOULTON, Clint. Cloud Computing: 5 tendências para 2019. Acesso em 20/10/2019 <https://cio.com.br/cloud-computing-5-tendencias-para-2019/>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *